sexta-feira, 7 de março de 2014

E AGORA JOSÉ?

E agora, José? (Carlos Drumond de Andrade)
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
E agora, você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?
Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?
E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio – e agora?
Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?
Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse…
Mas você não morre,
você é duro, José!
Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, para onde?

Baralho da Maria Padilha
Baralho Cigano
Andre Manovani
E agora Jose, o Natal passou, o Verão se foi e o Carnaval acabou... A segunda feira se aproxima deixando para trás o brilho do sol de verão que para uns é merecidamente usufruído, mas para outros o brilho é tanto que ofusca a visão real dos fatos. Porque é muito fácil sentar na praia e entrar no clima de férias. Numa ilusão de que tudo se resolve depois do carnaval. O que você fez durante o verão? Esteve com os amigos de todas as horas, aqueles que gritam aos ventos TAMO JUNTO! ? Ou foi pra balada ficar bem na foto do Facebook? Deixando os amigos pra depois? Esses amigos são os amigos do dia a dia, das madrugadas chorosas, são eles que estão sempre ali pra você nas horas difíceis, são os que param o que estão fazendo por gostar e respeitar você. E incluo também os amigos do Céu, os mentores espirituais a quem durante o ano você não perde uma oportunidade de encontrar e pedir a solução de seus problemas. Pois então... Tudo parou para ver o Sol do verão.

E quando a festa acaba o que resta?  A realidade nua e crua e com ela o bloco da melancolia e desamparo. Tudo isso acontece pela maneira que se trata as relações humanas através dos amigos, aqueles que você garantia Tamo Junto, e não estava tão junto. Porque nesse caso tamo junto não quer dizer só você me ajuda, TAMO JUNTO quer dizer que podemos contar um com o outro. Mas nem sempre e assim e em muitas relações se reproduz o velho esquema dos fortes e dos fracos, já que o outro e forte, posso me manter frágil, mas o outro e humano e tem dias de fragilizar também, mas não pode contar com o amigo porque ele sempre pede ajuda e não sabe ajudar, então um dos dois se isola e desaparece na poeira. Daí o contato se esvai porque o clima é de euforia e como nada dura pra sempre a poeira baixa e você se da conta que o ombro amigo não esta disponível, e você não sabe por que né?
Nunca prometa algo que não pode cumprir, porque o outro confia tanto que conta com sua ajuda, mas quando ele acorda e toma outro rumo você se espanta.
Tudo na vida tem limite, e o limite de respeito numa relação deve ser bem estabelecido para que não haja expectativas ou cobranças porque então o que era Laço de amizade vira Nó...

"Meu Deus! Como é engraçado.

Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço.
Uma fita dando voltas. Enrosca-se, mas não embola.
Vira, revira, circula e pronto, está dado o laço.
É assim que é o abraço (...)
Ah, então é assim o amor, a amizade, tudo que é sentimento.
Como um pedaço de fita.
Enrosca, segura um pouquinho, mas não pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.
Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade.
E quando alguém briga então se diz: romperam-se os laços.
Então o amor, a amizade são isso.
Não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam.
                                                                        Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço."

                                                                          Mario Quintana

Nenhum comentário:

Postar um comentário